Entrevista

Published on janeiro 9th, 2014 | by Leandro Garcia

Entrevista com Eduardo Benvenuti do canal BRKsEDU

Gamers boa tarde,

Você com certeza se não está em outro planeta já viu algum vídeo do nosso entrevistado, Eduardo Benvenuti o famoso Edu do canal BRKsEDU. Edu é um dos mais bem sucedidos YouTubers nacionais no ramo de games, sempre primando pela qualidade tanto dos games, quanto de áudio e vídeo seu canal traz diversificadas séries tanto para mim fanático pela série de Bully quanto para pessoas que gostam de jogos completamente diferentes como o ótimo Rayman Legends. Falaremos sobre o início do canal, o focp maior em COD, passando pela sua ida para o Canadá e a maior diversificação dos games, então sem mais delongas, vamos a entrevista.

1 – ReportGamer: Edu, antes de falarmos do seu canal, conte para nós um pouco de sua história gamer antes de YouTube?

Resposta: Basicamente, jogo desde que nasci. Sequer lembro do meu primeiro contato com games, de tão novo que eu era. Eu comecei no Atari (River Raid, Pitfall, Enduro), passei para o NES, depois SNES, e então tive diversos consoles: Nintendo 64, Playstation, Saturn, Dreamcast, Playstation 2, Wii, Playstation 3, Xbox 360, Playstation 4 e Xbox One. Gosto bastante tambem de portateis: Gameboy Color, 3DS e PS Vita. Obviamente tive tantos consoles por apreciar muito os jogos, e cito, dentre os meus favoritos: Mario, Zelda, Punch Out, Final Fantasy, Dragon Quest, Chrono Trigger, The Last of Us, GTA, Dead Rising e Resident Evil.

2 – RG: Seu canal no início era focado mais em jogos de primeira pessoa, depois você veio diversificando este conteúdo com muita qualidade, esta mudança se deu ao feedback dos inscritos ou por escolha sua mesmo?

R.: Escolha minha, definitivamente. Fiquei por algum tempo completamente viciado em Call of Duty, na epoca do Modern Warfare 2 e do Black Ops. Porem, esse fascinio por Call of Duty foi passando, entao acabei voltando a minha rotina normal de games: jogar diversos tipos de jogos. A consequencia foi o canal passar a mostrar menos Call of Duty e mais diversidade.

3 – RG: Completando a pergunta anterior, conte-nos um pouco sobre sua rotina de gravações, edições e escolha dos games e séries para o canal?

R.: Eu costumo gravar meus vídeos a noite nos dias de semana, e em qualquer horário que eu quiser nos fins de semana. Gravo apenas quando me sinto inspirado, pois sei que dessa forma consigo melhores resultados em termos de qualidade. Sobre a escolha dos games, busco unir aquilo que eu gosto com aquilo que as pessoas querem ver. Eu nunca escolho um game que não gosto, e muito raramente escolho um game que gosto mas que meu publico no geral não gosta (embora as vezes eu faca isso por gostar demais de um jogo). Dou preferência a lançamentos, pois não só tenho muita vontade de jogar jogos novos como também ha muita gente interessada em ver as novidades.

4 – RG: Muitos YouTubers se dividem entre seus “empregos normais” e seu canal o que muitas vezes se torna muito cansativo, você está nessa ou investiu tudo no YouTube?

R.: Eu possuo, sim, um emprego formal. Consigo me manter, felizmente, apenas com o canal, porém achei prudente ter um emprego formal. Alem disso, fui basicamente obrigado a ter um emprego formal até que meu processo de imigração canadense se conclua (ha diversas etapas, e sou considerado residente temporário ainda, e para sair do emprego preciso ser residente permanente).

maxresdefault5 – RG: Você no momento está residindo em Hamilton (Canadá), fale-nos um pouco desta experiência e se isto afetou ou mudou em alguma coisa os vídeos no canal?

R.: Eu moro em Hamilton mesmo, vim como estudante internacional, e após me formar resolvi continuar no Canadá pelo programa que a imigração oferece a recém-graduados. Estar no Canadá ajuda muito o canal, pois me da acesso a diversos jogos no lancamento (as vezes aée mesmo antes do lançamento) e a preços mais em conta. Isso foi crucial com o lançamento da nova geração, já que não apenas peguei meu Playstation 4 e meu Xbox One a preços justos como também os consegui antes do lançamento oficial. Além disso, estar no Canada me traz assuntos interessantes para vídeos, e a tranquilidade e qualidade de vida que tenho aqui fazem com que eu renda mais para o canal.

6 – RG: O que você acha do YouTube Brasil na parte de games, curte outros canais? Acha que existe uma saturação de canais de gameplay?

R.: Para ser bem sincero, eu pouco assisto a vídeos de games no Youtube. Não só me falta tempo pra isso como também prefiro produzir meu material de forma independente e ver videos de outros canais pode me trazer vícios de linguagem e outras influencias que não quero. Dentre os poucos que assisto, cito o FunkyBlackCat. Sobre saturação de canais, certamente ha uma saturação, e isso atinge mais os canais pequenos, não tanto canais médios e grandes. Pra fugir da saturação, recomendo aos canais pequenos serem criativos e fugirem daquilo que vem sendo colocado no Youtube com frequência.

7 – RG Agora vamos falar de um assunto chato que é a nova política do YouTube sobre os flags, o que você achou desta mudança? Acha que isso pode terminar ou ao menos modificar como o conteúdo em vídeo é feito para os gamers ou canais em geral?

R.: Em toda mudança, vejo as pessoas ficando desesperadas. Minha atitude costuma ser diferente: analiso para ver as consequências, pontos fracos, pontos fortes e oportunidades. Vejo a polêmica do sistema ContentID como uma oportunidade para o Youtube corrigir a falha que os flags são (o sistema funciona muito mal) e como uma oportunidade para as publishers publicamente defenderem o Youtube. Além disso, a tendência agora será de termos menos canais upando programas de TV e filmes, então pode ser que os canais que monetizam legalmente material vejam uma melhoria no número de views monetizados em relação a views totais.

8 – RG: Como é a interação com seus inscritos seja por comentários, mídias sociais, eventos ou lives?

R.: Interajo mais via Twitter, onde busco responder a grande maioria das perguntas. Fica difícil ir a eventos, por morar no Canada. Quanto a lives, tento fazer eventualmente, mas prefiro gravar videos a fazer transmissões, principalmente por conta dos bugs que sempre acontecem nelas.

AzAefr1CUAAmHjb9 – RG: Em seu canal tem minha série preferida era do game “Bully”. Você particularmente tem uma série ou vídeo favorito? Poderia fazer um Top 3 para nós?

R.: Bully de fato foi uma serie muito divertida de gravar, mas, ao mesmo tempo, olho pra tras e penso que se eu a tivesse gravado hoje em dia ela teria ficado melhor. Mas, isso faz parte do aprendizado e amadurecimento como criador de conteudo. As minhas series favoritas provavelmente foram The Last of Us, GTA V e Dead Rising 3. Mas não tenho como não citar também minhas series de Mario e a serie de Bully. Nao me entenda mal, tenho carinho por todas as minhas series, mas algumas marcam mais do que outras.

10 – RG: Você que já tem um tempo de canal, e com mais de 1,3 milhões de inscritos, que conselho pode dar para um jovem gamer que pretende iniciar seu canal no YouTube?

R.: Aconselho a pensar mais na diversao e menos no dinheiro, antes de tudo. Isso dito, recomendo ter uma boa qualidade de audio e imagem, o que inclui uma placa de captura e um microfone que sejam no minimo decentes. Na parte dos comentários, recomendo que sejam sempre informativos e divertidos ao mesmo tempo. Apenas um dos dois provavelmente não basta. Acho necessário ser empolgado no falar. Para a divulgação, o melhor a fazer: ser ativo nas redes sociais e dar atenção aos inscritos. Vale mais agradar a quem já acompanha do que querer agradar quem não acompanha.

11 – RG: Com relação ao mercado brasileiro de games, houve um crescimento muito grande nesta geração que foi finalizada, o que espera para esta nova geração de games que chegou agora aqui para o mercado nacional?

R.: O Brasil, na nova geracao, vai se consolidar de vez dentre os maiores e mais rentáveis mercados de games, junto a Estados Unidos, Canadá, Japão e Reino Unido (há outros, não citei todos). O mínimo que espero para grandes lançamentos são jogos com legendas em Português (porem frequentemente também dublados em Português) e data de lançamento seguindo o padrão global (sem atrasos).

12 – RG: Esta pergunta faço para todos os entrevistados aqui do site, então fique a vontade para responder, existe uma preferência sua por PC ou Consoles? Por quê?

R.: Sim, prefiro consoles, e acho que isso fica bem claro no canal inclusive. Não por achar consoles melhores que PC’s, e sim por questão de costume: me sinto mais a vontade para jogar com controle no console do que com mouse e teclado no PC. Sei que ha como jogar com controle no PC, mas não acho tao preciso quanto no console. Além disso, e isso tem a ver com o canal, acho mais fácil capturar gameplay de console do que de PC.

13 – RG: Voltando um pouquinho há um assunto que falamos a algumas perguntas anteriores, como o gamer brasileiro é visto aí fora por estrangeiros?

R.: Depende. Do ponto de vista de alguém que convive frequentemente com canadenses, eles sempre são receptivos comigo (em lojas, em desenvolvedoras, em publishers, etc). Do ponto de vista de alguém que lê noticias, muitas vezes vejo estrangeiros não gostando de atitudes de brasileiros, dos famosos “huehue BR”.

1455943_615471061848956_1028474233_n14 – RG: Pelos seus vídeos vimos que você já aportou nos novos consoles, o que achou deles? E dos jogos mais especificamente?

R.: Gostei muito dos novos consoles, principalmente do fato de termos a liberdade de entrar nos menus e aplicativos com facilidade e velocidade. Mas para mim o que importa mesmo são os jogos, então, respondendo a sua pergunta, eles estão excelentes. Claro que o que vimos ate agora não representa a nova geração, que vai estar bem mais forte do que temos no momento, mas os games estão bem divertidos, principalmente Dead Rising 3 e FIFA 14 (minha opinião apenas, não considere como verdade absoluta).

15 – RG: Como falamos um pouco mais atrás, no início você tinha um foco bem mais pesado em COD, vários YouTubers aos poucos estão deixando o foco neste game e indo para caminhos de maior variação. Acha que COD deu uma decaída? Chegou a jogar o último game da franquia o Ghosts?

R.: Call of Duty tem piorado muito na minha opinião. Difícil dizer se em função da comunidade, muito imatura e desrespeitosa, ou em função das falhas nos games. Para mim, os jogos já não são mais divertidos como antigamente, apesar de eu considerar Call of Duty Ghosts o mais divertido desde Black Ops 1.

16 – RG: Agora por curiosidade dos redatores aqui do site, já aconteceu algo engraçado nas gravações que gostaria de compartilhar conosco? Já foi reconhecido na rua por algum inscrito?

R.: O que acontece de engraçado nas gravações vai pros vídeos, então não ha nada que não tenha sido publicado para compartilhar. Sobre ser reconhecido, vira e mexe sou reconhecido aqui no Canadá, normalmente quando vou a lugares turísticos, tipo Niagara Falls ou Toronto. No Brasil, sou bastante reconhecido, e acho isso bem legal, me deixa com um enorme sorriso no rosto.

17 – RG: Por último deixe seu recado para galera gamer!

R.: Um grande muito obrigado pelo apoio e carinho de todos! =)

Caso você tenha gostado da entrevista não deixe de comentar aí embaixo no campo de comentários. Para falar com o Edu como ele mesmo falou é mais fácil em seu twitter em @BRKsEDU além é claro de sua fanpage no facebook.

[  ]’s

Tags: , , , , , ,


About the Author

Um gamer clássico que adora postar notícias e comentar com seu mundinho gamístico com todos!!!



Back to Top ↑
  • GameNews #25 – Recall Nier, Super Mario Run, Nintendo Switch e Jogos Brasileiros

  • Curtam nossa fanpage no Facebook

  • Sigam-nos no Twitter


  • Curta nossa fanpage no Google +

    Sigam-nos

    Curta nossa fanpage

  • ReportGamerTV

  • Sponsors


  • Nossas Badges



  • Parceiros







  • Cobertura ReportGamer na BGS 2015

  • Recomendados







  • Podcast GameNews